Como sair de um emprego que você acabou de conseguir (e não prejudicar a sua imagem)

Como sair de um emprego que você acabou de conseguir (e não prejudicar a sua imagem)

Permanecer pouco tempo em um mesmo emprego sempre foi visto com desconfiança por grande parte do mercado profissional. Questiona-se o comprometimento, a resiliência e a capacidade de realização do profissional a médio e longo prazo. Por mais que hoje, o estigma negativo dos profissionais “pula-pula” tenha diminuído bastante com as configurações profissionais modernas, principalmente com a inclusão das novas gerações que tem uma mentalidade e opinião sobre a vida profissional mais flexível do que as gerações anteriores, permanecer pouco tempo em cada passagem profissional ainda é visto como algo suspeito ou mesmo negativo.

Veja: Como responder “Por que você está procurando um novo emprego?” em uma entrevista

Mas qual é a medida de tempo que devemos permanecer em um mesmo emprego para evitar ter um estigma negativo na vida profissional? E o que se deve fazer se tivermos a oportunidade de ter um emprego melhor? O que dizer ou o que deve ou não estar no currículo?

Veja algumas dicas de como mudar de emprego deixando boas impressões ao seu empregador atual, mesmo que você tenha sido contratado à apenas alguns meses e como explicar passagens curtas no histórico profissional.

QUANDO É ACEITÁVEL ?

Como regra geral, você ainda deve tentar seguir a velha regra de ficar no mesmo emprego por pelo menos um ano, que é tempo suficiente para que você tenha o mínimo de desenvolvimento profissional e realização. Porém, como já dito acima, os empregadores e recrutadores de hoje estão mais flexíveis e mais compreensivos do que antes e não vão se surpreender se você deixar um emprego mais cedo do que o período de um ano, principalmente se houverem questões médicas ou familiares envolvidas.

[TRABALHO DOS SONHOS] Essa é uma das razões mais comuns para que novos ou promissores colaboradores deixem os seus empregos antes de completarem um ano. Todos nós temos algumas empresas e áreas que desejamos trabalhar ou mesmo conhecer – esse é o objetivo do employer brand – e quando recebemos o convite para trabalhar no lugar que se deseja deve-se aceitar. Geralmente, quando uma empresa mostra interesse real na contratação de um novo colaborador, o processo tende a ser mais fluído, menos desgastante e até com um número menor de etapas de entrevistas. O seu atual empregador pode até ficar chateado ou mesmo não ver esse movimento de maneira positiva, mas é compreensível que se vá atrás daquilo que se deseja.

[PASSAGENS CURTAS] Muitos profissionais (especialmente os mais jovens) pensam que o currículo é algum tipo de documento estático, com valor legal, quando na verdade ele é um protocolo social para dar visibilidade sobre quem é, e o que busca o profissional – e antes de mais nada,  o currículo não diz quem o profissional é, mas sim quem ele foi.

Você deve colocar no seu currículo passagens que agregaram valor na sua trajetória profissional. Não adianta colocar no currículo os três meses que você passou em uma empresa ou experiência se ela não trás valor algum para a sua carreira ou mesmo não tem contribuição real para aquilo que deseja.

O ponto de atenção em não colocar algumas experiências no currículo é não deixar uma imagem negativa ao seu futuro empregador. O que aconteceria se ele descobrisse que você escondeu ou omitiu determinada passagem profissional? Quais foram as razões para não divulgar tal passagem? Esse tipo de questionamento é importante, principalmente se você foi demitido em algumas das passagens em que você omitiu.

Mas, se você acha que vale à pena colocar os dois meses em que você trabalhou como assistente administrativo na pequena empresa de fotocopias do seu tio,vá em frente.

Veja: Referências Profissionais: tudo o que você saber

[NÃO ESTÁ DANDO CERTO] “Nem sempre aquilo que parece é.” Essa máxima também é uma constante na vida profissional. De certo, só conhecemos em sua totalidade um novo emprego ou nova posição quando estamos em contato próximo a ele. Por isso, é normal nos decepcionarmos com um emprego. Muitas vezes a desilusão tem origem em algo que está além da nossa responsabilidade, como a pessoa que lhe contratou se desligar logo após a sua contratação, você identificou algum valor na empresa que vai encontro a algum valor moral seu, problemas legais ou de compliance e etc. A questão aqui é: você não está feliz no lugar em que está e quanto mais cedo você tomar uma atitude quanto isso melhor.

Veja: Como avaliar a sua atual relação com o seu trabalho

PEDINDO DEMISSÃO

Seja qual for o motivo, se você está pensando em se desligar do seu recente emprego, pense bem. Se mesmo depois de pensar bem, a ideia de pedir demissão ainda perdura então é realmente hora de pensar em uma estratégia de saída. Claro, você pode simplesmente parar de aparecer, mas acredite, isso será péssimo para a sua imagem profissional e ser demitido por abandono de emprego é algo que você não quer levar para o resto da sua vida profissional.

Veja: Como pedir demissão sem prejudicar o futuro de sua carreira?

O ideal é informar ao seu empregador com o máximo de antecedência que você puder que você deseja sair do seu emprego. O mínimo aceitável é de duas semanas, dessa forma o seu empregador consegue, minimamente, se organizar e se planejar para a sua ausência. Nesse momento é importante ser claro e criar um diálogo aberto, oferecendo todo o tipo de ajuda que se puder e pensar em um plano de transição que seja benéfico e sustentável para ambas as partes. Um tempo ideal seria de 30 a 45 dias, dessa forma se cumpre o aviso prévio e não nenhuma possível rusga ou desgaste na sua imagem profissional.

Veja: Como construir uma reputação profissional positiva

Se oferecer para ficar na empresa até que alguém seja contratado é sempre a melhor maneira de aliviar a situação e salvar qualquer tipo de relação que você desenvolveu durante a sua curta estadia na empresa.  Isso pode ser importante para o seu futuro profissional, ter boas referencias de empregadores passados é sempre positivo.

NÃO SEJA PULA-PULA

Devemos trata a nossa vida profissional com o máximo de cuidado possível e todo e qualquer movimento deve ser realizado de maneira consciente. Toda e qualquer movimentação na carreira pode ser explicada, mas ter diversas movimentações em curtos espaços de tempo pode começar a soar estranho e negativo aos olhos de recrutadores e empregadores, por mais competente que você seja.  Então, se você acabou de aceitar um novo trabalho, mas já está em dúvida quanto a sua permanência nele e já deseja se desligar, não se preocupe, a maioria dos recrutadores não desqualificará o seu perfil para futuras oportunidades.

O problema acontece quando mudar muito de emprego se torna um hábito. Mesmo no inicio de carreira onde tudo é novo, recrutadores e empregadores podem notar a diferença entre um candidato que fez movimentos ousados na carreira de um candidato que apenas não quer se comprometer com o trabalho.

Algumas dicas de como evitar mudanças precoces de emprego:

  • Se concentrando mais na atividade que realiza do que no pacote de benefícios e remuneração.
  • Se dando um tempo deliberado para conhecer a real cultura da empresa, se comprometendo a permanecer nela entre 3 e 6 meses.
  • Pesquisar o máximo possível sobre a empresa e a função que desempenhará ANTES de aceitar fazer parte do processo seletivo.

O medo de dar um passo em falso e tomar uma decisão errada na vida profissional é algo que todos nós tememos. Tememos ficar com estigma de incompetentes ou fracassados por termos permanecido pouco tempo em determinada experiência. Mas não se preocupe.

Veja: 4 maneiras simples de gerenciar a sua reputação online quando se procura um novo emprego

A boa noticia é que nos dias de hoje a tolerância a esse tipo de situação é bem maior do que era no passado, inclusive sendo bem vista em determinados casos – alguns recrutadores acreditam que permanecer pouco tempo em determinadas passagens profissionais é um sinal de atitude e dinamismo, características que são vistas como positivas na maioria das ocasiões.

É importante ter essas dicas em mente quando se pretende mudar de um emprego que se conseguiu a pouco tempo. O desafio não é ficar pouco, mas sim ser honesto consigo mesmo e entender as razões da insatisfação que geralmente estão ligadas a não aderência do perfil profissional com aquilo que a empresa busca.

Eduardo Saigh é formado e pós-graduado em marketing pela ESPM. Atuou com sucesso na área de marketing e comunicação durante 8 anos, quando decidiu mudar de carreira e empreender na área de desenvolvimento humano. Após três anos na nova área, aceitou o desafio de fazer a restruturação da área de RH na Hays, uma das maiores consultorias de recrutamento e seleção especializadas do mundo. Atualmente é o head da Elliott Scott, multinacional especializada no recrutamento e seleção de profissionais de RH e sócio fundador da Peopleminin.
9 comentários
  1. José Pilintra

    Estou passando por isso no atual momento… Deixando um emprego sem ser da minha área com 6 meses para dar uma passo ousado, e pegar um estágio na minha área, mas já tenho possíveis novas oportunidades de emprego, devido a entrevistas recentes em empresas na minha área… Porem, nada certo quanto a eles, apenas o estágio que é certo. Muita duvida na cabeça :/ 🙁 🙂

  2. Francine almeida

    Trabalhei por 3 anoa e 5 meses e fui desligada por um instituição de grande porte com reconhecimento internacional. O motivo: Diminuição do quadro de funcionários por orçamento além de não aceitar mudança de horário de trabalho e mudança na gestão. Consegui outro emprego clt em outra instituição não tão reconhecida, permaneci por 45 dias e solicitei desligamento, não me identifiquei com a instituição. Consegui outro trabalho me nos reconhecido, perto de casa, não fiquei 40 dias, era um contrato por tempo indeterminado, pedi desligamento. Não gostei do setor que me alojaram, diferente da minha maior vivência.

    A pergunta é clara…

    Estou com a carteira de trabalho queimada devido ter dois pedidos de demissão em menos de 50 dias ?

    O que relatar em uma nova entrevista. Isso se me chamarem.

    O que fazer????

  3. Fábio pereira Alves

    Seja sincero porque a verdade é a melhor saída e com certeza vai conseguir voltar ao marcado de trabalho mas não seja tão exigente porque sempre tem alguém capaz de desenvolver o seu trabalho.

  4. Mauricio

    Estou passando por isso nesse momento, trabalhei por 10 anos em uma multinacional, a empresa decidiu mudar de estado mas não aceitei ir junto, com isso passei a buscar outro emprego, muitos não me recrutaram devido a meu salário anterior e pelo fato de possuir curso superior em casos de seleções onde o requisito era ensino médio. Depois de quase um ano procurando fui novamente empregado, um trabalho extremamente exaustivo e que começou a me trazer prejuízo a saude já no primeiro mês. Neste período fui chamado para um processo seletivo onde o que foi proposto era muito interessante, decidi aceitar e saindo novo emprego. Resultado, quebrei a cara pois o que foi combinado não está sendo cumprido, moral da história, troquei seis por meia dúzia pois agora não quero permanecer na nova empresa, perdi a confiança.
    O que estou aprendendo com tudo isso é que o desemprego é vantajoso para as companhias, pois tem mão de obra se “vendendo” barato, e aqueles que não aceitarem as condições que se dane pois tem outros milhares dispostos a aceitar. Infelizmente esse pula pula vai se tornar cada vez mais frequente pelos profissionais das mais diversas áreas tendo em vista o comportamento das companhias tratando os profissionais como mercadoria vencida.

    1. Peopleminin

      Olá Maurício, obrigado por compartilhar um pouco da sua história conosco. Não podemos generalizar. Algumas empresas realmente têm políticas pouco voltadas ao bem estar dos seus colaboradores e isso geralmente cobra um alto preço para elas a longo prazo. O melhor a fazer é sempre entender como é o dia a dia das empresas, entender a sua cultura, para saber se de fato, aquilo que é dito realmente é verdade. Boa sorte!

  5. Ruan Carlos Pires

    Estou passando por uma situação complicada tenho 19 anos, meu primeiro serviço trabalhei por 8 meses numa empresa de grande porte, ao termino da obra fui dispensado, ae dpois de 3 meses, voltei pra essa mesma firma só que agora numa area totalmente diferente dá que eu trabalhava., nada me agradou, e ainda longe de casa, se eu sair agora vou ficar com 1 mês de experiencia na carteira nessa mesma empresa.. será que é ruim para mim???? O que eu faço, sou muito novo mas esse 1 mês de experiencia vai acabar com minhas chances futuras…

    1. Peopleminin

      Ruan, obrigado pelo contato. Antes de tudo, calma. A sua visão sobre si mesmo e sobre essa situação pode ser muito dramática e irreal. Na sua idade é comum as experiências profissionais serem curtas. Você ainda está em formação profissional, entendendo aquilo que funciona e o que não funciona para você. Claro, é sempre melhor permanecer o tempo suficiente em cada experiência profissional para aprender e realizar coisas novas, mas nem sempre as coisas saem como planejado. Talvez, o mais importante seja trabalhar na sua empregabilidade e refletir sobre o que faz ou não sentido para você.

  6. Lívia Maria de Oliveira Santos

    Olá ,
    Recentemente fiquei em uma empresa apenas por 1 semana pedi demissão na empresa que eu estava acreditando que a nova oportunidade seria incrível por aprender novos desafios , mas o ambiente não me fazia bem , agora quando vou fazer entrevista sinto que relatar sobre isso está me prejudicando , como devo relatar sobre esse relato ?

    1. Peopleminin

      Olá Lívia, isso é bem comum de acontecer. Infelizmente, não temos controle sobre como as pessoas vão reagir ou encarar as nossas histórias e passagens profissionais. No seu caso, acredito que o mais indicado seja contar o contexto ao entrevistador. O que não lhe fazia bem no ambiente e porque não fazia bem. Outro ponto importante é encarar isso como aprendizado e levantar a cabeça. Tudo de melhor para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

mautic is open source marketing automation