Como os líderes de RH podem impulsionar a inovação nas empresas

Como os líderes de RH podem impulsionar a inovação nas empresas (2)

O tema inovação no mundo corporativo está em alta, há no mínimo, 2 anos. Termos como “Industria 4.0”, “Design Thinking”, “Block Chain” e “Hackaton” deixaram de ser apenas termos em inglês para fazer parte do cotidiano empresarial brasileiro, mostrando que as empresas brasileiras, de forma geral, desejam se manter competitivas nos seus respectivos mercados usando a inovação como ponto central da sua estratégia de crescimento.

Quando pensamos no binômio inovação x empresa, temos componentes diferentes que formam esse intrincado quebra-cabeças que ao ser montado deverá apontar para algo de novo.

Dentre todas as peças que montam o quebra-cabeça da inovação nas empresas, o fator pessoas é a peça fundamental.

E por definição, quando falamos de pessoas, estamos falando prioritariamente da área de Recursos Humanos.

Mas afinal, o que é Recursos Humanos?

Recursos Humanos e Inovação

Gestão de Pessoas, Gestão de Recursos Humanos e Administração de Recursos Humanos, ou simplesmente RH, é um conjunto de políticas, técnicas, métodos, habilidades e práticas definidas com o objetivo de gerir o capital humano nas empresas. Em linhas básicas, tem por finalidade nortear os colaboradores na direção dos objetivos e metas da empresa.

Para tal, costuma ser responsável pelos mecanismos de atração, desenvolvimento e retenção de colaboradores.

Logo, todo assunto que envolva pessoas em uma empresa é de responsabilidade do RH, incluindo todo o ecossistema que vem sendo construído quando falamos em inovação.

A inovação pode até não ser fruto do RH, mas depende dele para coexistir em sua potencialidade máxima nas empresas. O RH desempenha um papel importante nos processos e fluxos de uma empresa, que podem inflamar ou extinguir a centelha da inovação: criar políticas e práticas organizacionais que sustentem abordagem inovadoras, ajudar e criar estruturas de gestão, conectar-se aos líderes para compartilhar estratégias e influenciar na cultura da empresa.

Por todas essas razões, o RH está no lugar perfeito para ajudar, incentivar e facilitar a inovação nas empresas brasileiras.

Mas como?

[EVITE O TELEFONE SEM FIO] Antes de mais nada, o RH deve entender qual é o significado de “inovação” no contexto da organização em que ele faz parte. Pode parecer estranho, mas acredite, por mais que o tema esteja em ascensão e amplamente divulgado com dezenas textos, vídeos, eventos e buzz, existem organizações que não desejam mudar uma vírgula em seus negócios. Não serei leviano em apontar setores ou áreas de atuação, pois pela minha experiência esse tipo de filosofia não pode ser atribuída grosseiramente desta forma. A questão de incentivar ou não a inovação nas empresas tem mais a ver com a visão de negócio que os líderes têm das organizações que lideram do que uma característica intrínseca de um determinado setor.

Portanto, para que o RH não se frustre com iniciativas inovadoras na organização que faz parte, ele precisa entender o que significa a inovação para a empresa.

Muitas vezes a inovação nada mais é do que um novo processo, um fluxo novo, uma nova tecnologia ou mesmo uma cultura voltada a diversidade e inclusão – ou até tudo isso junto e ao mesmo tempo. Tão importante quanto traduzir o significado de inovação é entender a sua magnitude e impacto nas pessoas.

James Davis cita que outras formas de impulsionar a inovação são a seleção de talentos criativos, encorajar a criatividade e trabalhar com recursos limitados.

[SELEÇÃO DE TALENTOS] Uma das responsabilidades clássicas do RH é a atração e seleção de profissionais. Ser responsável por esses subsistemas dá ao RH a chance de popular a empresa com profissionais criativos e inovadores, que possuam as abordagens desejadas pela empresa.

[ENCORAJE A CRIATIVIDADE] Muitas vezes, contratar novos colaboradores criativos e inovadores não será o suficiente para garantir que a empresa se torne inovadora. É necessário criar um ambiente que encoraje a criatividade, incluindo dar a liberdade de tentar o novo para quem costumeiramente não o fazia – em maior ou menor grau, todos temos um nível de criatividade e inovação dentro de nós. Alguns especialistas sugerem algum grau de tensão como um método eficaz de promover a inovação dentro das empresas. Criar desafios ou competições saudáveis entre os colaboradores pode ser uma forma eficaz de trazer à tona a criatividade adormecida.

[TRABALHE COM RECURSOS LIMITADOS] Resistir a mudanças é um comportamento normal do ser humano, e muitas vezes essa resistência se manifesta com a visão de que a inovação é algo caro, custoso e por isso não deve ser prioridade. Porém, uma forma de contornar essa visão é começar os processos criativos e inovadores de maneira pequena, com recursos limitados. Dar aos colaboradores a oportunidade de apresentar uma solução nova com recursos escassos reunirá as pessoas em torno de um desafio e as fará pensar de novas maneiras.

Eduardo Saigh é formado e pós-graduado em marketing pela ESPM. Atuou com sucesso na área de marketing e comunicação durante 8 anos, quando decidiu mudar de carreira e empreender na área de desenvolvimento humano. Após três anos na nova área, aceitou o desafio de fazer a restruturação da área de RH na Hays, uma das maiores consultorias de recrutamento e seleção especializadas do mundo. Atualmente é o head da Elliott Scott, multinacional especializada no recrutamento e seleção de profissionais de RH e sócio fundador da Peopleminin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

mautic is open source marketing automation