Some-Thoughts-On-Failure

Você está sabotando as suas chances de uma promoção no seu trabalho?

Começo de ano (mesmo que não tão começo assim) e você está pronto para avançar na sua carreira, está pronto para ser promovido e com isso assumir um novo papel, novas responsabilidades, mais autoridade, reconhecimento e aumento de salário. Você já se considera apto para esse próximo passo, já provou a si mesmo que merece subir um degrau na sua jornada profissional, mas de alguma forma você parece preso.

Estagnado no mesmo lugar. Você já tentou de tudo, mas não avança. Cumpriu as metas, alcançou os objetivos, cumpriu a missão e nada de promoção.

Aqui estão três pontos que podem estar sabotando as suas chances de promoção.

[VOCÊ CONCORRE A TODAS AS OPORTUNIDADES POSSÍVEIS] Quando queremos muito uma coisa, podemos facilmente ser tomados por ações impulsivas e impensadas, motivadas pela ansiedade de ter aquilo que queremos. Como sabemos, raramente uma ação impulsiva e emocional tem o resultado desejado no contexto profissional – quer dizer, as vezes até surtem o efeito desejado a curto prazo, mas a médio e longo prazo tendem a ser um desastre.

Veja também: Quais são as opções para crescer na carreira sem mudar de emprego

Por isso, é importante domar a nossa ansiedade e tendência a se aplicar a toda e qualquer oportunidade que surja, seja dentro ou fora da empresa que se trabalha. Algumas pessoas, muito ansiosas por uma promoção – e nesse ponto precisamos entender o que se considera uma promoção. É preciso entender se realmente se deseja ter novas responsabilidades ou apenas algum tipo de reconhecimento que não se tem a tempos, como um novo cargo e um aumento de salário – saem se aplicando a toda e qualquer oportunidade, optando pela quantidade ao invés da qualidade. Infelizmente, nem sempre quanto mais aplicações, maiores as chances de sucesso.

Se aplicar em tudo o que for oportunidade profissional pode levantar suspeitas sobre o real objetivo da sua aplicação, sobre a sua competência profissional, sobre a sua motivação em buscar uma nova oportunidade profissional e coisas do tipo.

É preciso entender se você realmente busca apenas algum tipo de movimento ou se você busca um movimento com um objetivo claro e definido. Para evitar a perda de tempo e no bem da verdade, evitar com que o seu perfil profissional tenha o valor diminuído e que você venha a se arrepender e frustrar pela mudança de emprego.

Veja mais: Está esgotado? Veja os sinais de que você precisa dar um tempo na sua carreira

Tudo isso pode ser evitado se questionando sobre o que você busca com a sua promoção: qual é o real valor e motivo para você ser promovido e se aplicando apenas para posições que realmente tem o seu perfil profissional e que correspondam aos seus objetivos de carreira. É preciso escolher as oportunidades e aplicações com sabedoria, mesmo que isso signifique demorar mais um pouco para achar uma  oportunidade que realmente faça sentido para a sua carreira.

[VOCÊ RECLAMA MUITO] Por mais difícil e injusto que seja, ser promovido, na grande maioria das empresas não é um direito, é um privilégio. Consequentemente, podem haver momentos em que simplesmente não ser promovido quando se julga devido (seja por planejamento, seja por atingimento de metas e resultados e etc), pode se tornar um momento traumático. E, é justamente nesse momento de frustração e muitas vezes indignação, que você deve manter a calma e a compostura.

Nesses momentos, temos grandes chances de estarmos sendo observados. A todo momento, nossos gestores e pares estão nos avaliando para saber como reagimos a situações de estresse e frustração. A questão aqui não é não sentir ou mesmo não concordar com a decisão tomada, até porque, raramente a pessoa que será promovida faz parte do processo de tomada de decisão.

Veja também: Sua carreira está estagnada? Veja o que fazer para sair dessa situação!

Como já dito aqui, na teoria, o profissional tem todos os requisitos para a promoção, ele parece ser a peça perfeita para ocupar o cargo, mas por algum motivo, justo ou não, pessoal ou impessoal, ou o que quer que seja, ele não será eleito. Quase sempre, nessas situações há um jogo profissional velado, com uma variedade de fatores que não se conhece.

Nessas situações, evite se queixar, verbalizar em excesso a sua frustração ou mesmo ter reações exageradas e impróprias para a situação. Busque entender, até onde lhe cabe, quais foram os fatores levados em consideração para a sua não promoção e o que você pode fazer para evitar esse tipo de situação no futuro. Manter a calma nesse tipo de situação mostra maturidade e profissionalismo, e com eles o respeito e a admiração das outras pessoas.

[VOCÊ NÃO ESTÁ ALINHADO COM O SEUS GESTORES] Ninguém chega a lugar nenhum sozinho e na nossa vida profissional, essa máxima é uma verdade absoluta. Muitos profissionais sabotam as suas chances de promoção simplesmente por não manterem uma relação aberta com os seus superiores. Isso envolve não apenas ser cordial e educado, mas compartilhar os seus objetivos profissionais e eventualmente pedir conselhos e direcionamentos. Mesmo quando for promovido, pergunte a opinião dos seus gestores e superiores. Por mais que você tenha certeza do seu merecimento, eles podem ter uma visão e opinião diferentes das suas. Nem sempre uma promoção é algo positivo na carreira e se você tiver uma boa comunhão com os seus gestores, eles poderão compartilhar um pouco da sabedoria deles com você.

Veja mais: Como falar com orgulho sobre o seu trabalho

Se você está lutando ou já está convencido de que merece uma promoção na sua carreira, dê uma boa olhada nos seus comportamentos. Você pode estar sabotando as suas chances de avançar na sua carreira se você está tendo um dos comportamentos acima, ou até mais de um. É hora de ser honesto consigo mesmo e assumir um postura mais madura com um novo comportamento que condiga com a posição que se almeja alcançar.

Texto_ Melhoria Contínua e os benefícios para a sua carreira

Melhoria Contínua e os benefícios para a sua carreira

“Hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje!” – lema do Kaizen (do japonês, “melhoria” ou “mudança para melhor”).

Atualmente existem vários sistemas e metodologias de melhoria contínua e todas visam a redução de custos, de falhas (sejam erros, enganos e omissões) e apresentam uma oportunidade maior de obter benefícios rápidos dos resultados a uma empresa.

Antomar Martins, resume a história da melhoria contínua assim:

“Como sabemos e os livros comprovam, a condução dos “empregados” durante mais de um século no Ocidente foi baseada nas ideias de Frederick W. Taylor, condensadas na denominada “Administração Científica”. Através deste enfoque o “empregado” estava sendo considerado apenas como uma extensão da máquina. As melhorias de produtividade e de métodos eram somente implementadas segundo a visão de “especialistas”. Os proprietários das empresas ou diretores tomavam suas decisões e transferiam suas informações e determinações através de “capatazes, chefes ou supervisores” para, assim, serem passadas aos “empregados” nas linhas de produção.

Sobre o assunto escreve A. Maximiano: Enquanto Taylor, Pierre du Pont e Sloan desenvolviam as ideias fundamentais que evoluíram para a moderna teoria da administração, algo muito interessante estava acontecendo nas linhas de produção massificada inventada por Ford: outra escola estava nascendo, a escola da qualidade. A escola da qualidade teve um desenvolvimento paralelo ao das outras escolas até a metade do século XX, quando se juntou a outros conceitos e tornou-se um enfoque também sistêmico.

Veja mais: Autoestima: 5 maneiras de aumentar a sua

No início do século XX, quando a produção em massa se tornou comum, qualidade significava uniformidade (ou ausência de variação). Nessa época, percebeu-se que era necessário fazer peças em grandes quantidades, como parafusos, virtualmente idênticas, de forma que cada uma pudesse ser montada, indiferentemente, em qualquer produto. Qualidade era então, como continuou a ser até meados do século XX, uma questão de uniformidade.

A partir de 1948, no Japão, iniciava um processo que modificaria o mundo da qualidade e os negócios no mundo. Paradoxalmente esse processo foi inspirado por pensadores norte-americanos (Feigenbaum, Deming e Juran), derivando-se em 1962 nos primeiros Círculos de Qualidade, predecessores das atuais Equipes de Melhoria Contínua.

No mundo atual, praticamente não existe nenhuma empresa importante que não tenha um sistema ou equipes de melhoria, utilizando diversas variações derivadas da mesma metodologia”

“- Beleza, eu já entendi que o processo de melhoria continua ajuda as empresas a economizar recursos produzindo mais e melhor, mas o que isso tem a ver com a minha vida, o que isso tem a ver com a minha carreira?”, você me pergunta.

“Tudo”, eu te respondo.

Ter ciência sobre a existência do processo de melhoria contínua, e aplica-lo na prática, nada mais do que ter consciência e controle sobre o processo de atingimento de metas e objetivos, e de como maximizar esse processo, para que se faça mais com menos: menos tempo e menos desperdício de recursos (dinheiro, energia vital e psicológica e etc.)

Veja mais: Trabalhar duro não é essencial para alcançar o sucesso

Porém, para se aplicar a metodologia da melhoria contínua é preciso ter uma meta traçada, pois é impossível de se melhorar aquilo que não existe.

[CONTA GOTAS] Tendo em mente que é necessário saber aquilo que se deseja melhorar, o primeiro passo para a melhoria continua pessoal é saber que ela é igual beber água: se beber muito morremos, se beber de menos, morremos.

A melhoria contínua deve ser realizada na vida de maneira criteriosa e sem exageros, afinal, não é possível fazer a melhoria contínua da melhoria continua. É necessário dar-se um tempo para que seja possível aprender algo sobre um possível processo falho ou que possa ser melhorado e um tempo para consolidar o aprendizado e repensar nas ações e tarefas.

[AÇÃO ≠ TAREFA] Ação – Conjunto de atividades ou tarefas que levam a um resultado observável ou a um evento que pode ser dado como realizado em um plano de ação.

Tarefa – Unidade coerente e lógica de trabalho em um projeto, que não é muito grande ou muito pequena para ser acompanhada. Pacotes de trabalho.

O que nos leva a alcançar os nossos objetivos, em suma, é a realização de uma série de ações, que por sua vez, possuem uma ou mais tarefas implícitas. Para manter o processo de melhoria contínua em atividade é necessário diferenciar ação de tarefa. Muitas vezes, se falha em várias tarefas que compõem uma ação, mas mesmo assim, conseguimos seguir em frente uma vez que a ação em si foi realizada com sucesso.

Sabendo diferenciar ação de tarefa, conseguimos, de forma mais assertiva, saber os possíveis gargalos e pontos críticos que precisam ser melhorados. Como uma ação é um conjunto de tarefas, o processo para se finalizar uma ação acaba sendo fragmentado, o que facilita o gerenciamento dos recursos utilizados, principalmente o tempo é o ânimo. Ações com poucas tarefas, correm o risco de se tornarem longas de mais o que pode ser prejudicial a visibilidade do término da ação.

[ESTADO MENTAL] O terceiro e último item para se manter o processo de melhoria contínua em atividade é o controle do estado mental. Quanto mais positivo eu estou, mais propenso a avançar eu estou. Quanto mais negativo eu estou, mais propenso a estagnação eu estou.

Controlar o estado mental é primordial nos momentos de crise, pois ele gerara a energia motriz para as próximas etapas: energia baixa, performance baixa.

Energia alta, performance diferente de baixa.

Existem várias formas de se gerenciar o estado mental positivo, desde visualização guiada a meditação. Para mim, o que funciona é me imaginar atingindo os meus objetivo. Eu penso nas coisas que farei, nas pessoas que conhecerei, nas emoções que sentirei quando tiver alcançado aquilo que me propus, os benefícios que trarei para as pessoas ao meu redor. Quando penso nisso, automaticamente o meu estado mental muda e por consequência a minha energia muda com ele e eu passo a ter uma postura positiva frente aos obstáculos.

Nada mudou, as dificuldades e desafios ainda são os mesmos, mas a minha postura em relação a eles é outra. Hoje, a minha performance em mudar de estado é muito mais rápida do que em tempos anteriores, o que levava meses agora leva segundos para ser feito. Um bom exemplo do processo de melhoria contínua.

Texto_ Entrevistas por telefone e vídeo para candidatos experientes

Entrevistas por telefone e vídeo para candidatos experientes

Cada vez mais comuns nos processos seletivos, as entrevistas por telefone e por vídeo, ainda são novidade para a grande maioria dos candidatos e ainda mais novas para os candidatos mais experientes, que estão mais acostumados com entrevistas presencias.

O objetivo de entrevistas remotas é quase sempre o de dar agilidade ao processo seletivo, e em alguns casos, economizar recursos de tempo e deslocamento tanto dos candidatos quanto dos entrevistadores. Geralmente, entrevistas remotas são usadas nas primeiras fazes e fazes intermediárias dos processos. Justamente, por ser algo novo, por depender de algumas novas variáveis, entrevistas por telefone e por vídeo podem apresentar grandes desafios para profissionais mais experientes.

Continue lendo Entrevistas por telefone e vídeo para candidatos experientes

Texto_ Porque entrevistas de emprego são apenas uma parte do processo por um novo emprego

Porque entrevistas de emprego são apenas uma parte do processo por um novo emprego

Sem sombra de dúvida, nada amedronta mais um candidato que busca um novo emprego do que uma entrevista. Estar na frente de um possível empregador, tentando, ao mesmo tempo, impressioná-lo e não fazer (e falar) nada de errado é algo realmente estressante para a grande maioria dos candidatos que buscam um novo emprego. Continue lendo Porque entrevistas de emprego são apenas uma parte do processo por um novo emprego

Os estilos de liderança que acabam com o entusiasmo no trabal

Os estilos de liderança que acabam com o entusiasmo no trabalho

Um dos assuntos mais importantes quanto falamos de carreira e desenvolvimento profissional é liderança e os seus vários estilos. Existem diversos estilos de liderança, que variam de acordo com o mercado em que atual e cultura corporativa. No entanto, ao longo dos anos, pesquisadores classificaram os estilos de liderança em seis diferentes categorias distintas.  Continue lendo Os estilos de liderança que acabam com o entusiasmo no trabalho

mautic is open source marketing automation